Azeite de Oliva vem das azeitonas. Óleo de girassol vem das sementes de girassol. Mas o que é canola? Canola é na realidade, uma palavra inventada para um produto geneticamente modificado, transgênico:
CAN.O.L.A. = CANadian Oil Low Acid
É infelizmente uma invenção canadense subsidiada pelo governo. Os subsítidos tornam o produto muito barato, por isso quase todos os alimentos processados ou embalados contém óleo de canola. Comece a ler os rótulos e checar os ingredientes. Entenda o porque: Óleo de canola é desenvolvido a partir de uma planta chamada colza, que pertence à família da mostarda. Estes óleos tem sido utilizados para fins industriais (velas, batons, sabonetes, tintas, lubrificantes e biocombustível). É um óleo industrial, e não um alimento! O óleo de colza é a fonte por trás do gás mostarda, que pode nos causar enfisema, dificuldade respiratória, anemia, constipação, irritabilidade e cegueira. Mas através da beleza da modificação genética, nós agora vendemos este óleo como uma óleo comestível. A alegação sobre a canola ser segura para consumo é que através da modificação genética ela deixa de ser colza, e passar a ser canola. Mas a canola é apenas a colza geneticamente modificada. O óleo de canola passou a ser comercializado como um óleo maravilhoso, com baixos níveis de gorduras saturadas e com um ótimo aporte de ômega 3. Acredita-se que a colza tenha efeito cumulativo, e que seus sintomas levam cerca de 10 anos para começar a se manifestar. Um possível efeito à longo prazo seria a destruição do revestimento de proteção no cérebro, em torno dos nervos, chamado bainha de mielina. Alguns dos sintomas são: Tremores e agitação Falta de coordenação ao caminhar ou escrever Fala arrastada Deterioração dos processos de memória e pensamento Redução ou difusão da audição Dificuldade para urinar / incontinência urinária Problemas respiratórios / falta de ar Crise nervosa Dormência e formigamento nas extremidades Problemas cardíacos / arritmia Do ponto de vista nutricional, estudos demonstram que o óleo de canola depleta vitamina E. Há tendêndia para inibir o metabolismo adequado dos alimentos e nossa função enzimática. Também suprimi o sistema imunológico. Qual a realidade dos alimentos geneticamente modificados (os famosos transgênicos)? O Brasil têm plantado alimentos geneticamente modificados, e a tendência é só aumentar… Em 2020 a área plantada com culturas transgênicas alcançará 49 milhões de hectares e o uso de agrotóxicos continuará em disparada. O TOP 3 de alimentos geneticamente modificados são: Canola Milho Soja Não muito distantes estão a batata, o tomate, o pimentão, o amendoim e o girassol. Empresas que utilizam alimentos geneticamente modificados: Kellogs (Sucrilhos) Coca-Cola Hershey’s Gatorade Quaker Unilever (Ades…) Ragu PepsiCo (Doritos, Ruffles, Elma Chips, Cheetos…) Nos Estados Unidos tentaram criar uma legislação que obrigasse a rotulagem de produtos geneticamente modificados em supermercados. Então três empresas: Kellog’s, Monsanto e DuPont gastaram 55milhões de dólares para lutar contra isso, e ganharam a causa. Portanto não é obrigatório para as empresas deixar que os consumidores saibam quando o produto é geneticamente modificado ou não. Prejuízos causados por produtos geneticamente modificados:
1) Reações alérgicas Nosso corpo não foi criado para reconhecer e consumir produtos geneticamente modificados. Eles contém substâncias que são consideradas estranhas ao nosso organismo, e podem interferir no nosso trato gastrointestinal e na nossa corrente sanguínea.
2) Resistência à antibióticos Muitas plantas modificadas geneticamente foram projetadas para se tornarem resistentes. Nós consumimos essa mesma toxina, que por sua vez, pode produzir resistência aos medicamentos antibióticos.
3) Câncer Alimentos modificados geneticamente são uma ofensa para nossas células. Elas deprimem o sistema imunológico e podem favorecer o desenvolvimento do câncer.
4) Imuno supressão Nosso sistema imune não reconhece alimentos modificados geneticamente. Com isso, o nosso corpo fica trabalhando para expulsá-lo o mais rápido possível, e sobra menos tempo para que ele trabalhe para o nosso bem-estar.
Além de tudo que foi citado acima, alimentos geneticamente modificados têm um efeito negativo sobre a natureza. Ele afeta o equilíbrio da terra, prejudica as plantas selvagens e prejudica o ciclo de vida de animais selvagens.
O QUE PODEMOS FAZER?
De modo geral, evite alimentos processados, pois as chances de conter alimentos geneticamente modificados é muito maior. Procure apoiar os agricultores locais que vendem orgânicos Não compre ou consuma qualquer alimento que contenha canola.
Alimentos geneticamente modificados é uma assustador, mas com pequenas mudanças nós podemos incorporar uma alimentação mais saudável ao nosso dia-a-dia!
FONTE: http://www.lorainetarga.com.br/blog/a-verdade-sobre-o-oleo-de-canola/