O suco deve ser feito de verduras, frutas, e brotos germinados. A base da receita é não comer nada cozinhado ou de origem animal.

É preciso tomar providências para evitar ingerir agrotóxico. Os alimentos que não são fervidos pode estar contaminados por fungos, bactérias, sujeiras e agrotóxico.

Prato do dia: verduras, legumes, frutas e sementes germinadas. É a comida viva!

“Eu tomava remédio para pressão e não tomo mais. Emagreci dez quilos com uma alimentação natural que qualquer um pode fazer em casa”, conta o aposentado Orlando Asse dos Santos.

Não é milagre. É o resultado da orientação médica, que seu Orlando recebeu em um posto de saúde de Campos do Jordão, em São Paulo. Tudo de graça, pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Foi com o médico Alberto Gonzalez, pesquisador da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que ele e muitos outros pacientes começaram a aprender que comida é remédio.

“Há influências bastante claras na obesidade, na constipação, na inflamação crônica, na dislipidemia – que é o desequilíbrio do colesterol -, nas doenças gastrointestinais e respiratórias e no diabetes”, aponta Alberto Gonzalez.

Mas, afinal, o que é comida viva? A receita é simples: nada pode ser cozido, frito ou assado. Os alimentos são de origem vegetal. E para começar bem o dia, um suco poderoso.

Se uma pessoa que não tem uma doença diagnosticada nem se sente mal resolver experimentar esse alimento vivo, que resultados vai sentir?

“É muito importante que eu, me apresentando como médico, diga que alimento vivo é bom para quem está doente, mas o alimento vivo é uma alimentação para quem está sadio e quer se manter sadio”, esclarece Alberto Gonzalez.

Decidi experimentar. Em dez dias, que resultados eu veria?

“Em dez dias, vai haver uma grande liberação de água do seu corpo. Muita água retida vai ser eliminada. Você também vai notar mudanças no âmbito da digestão e da disposição, principalmente após as refeições, Você vai se sentir muito bem disposto”, adiantou Alberto Gonzalez.

Doutor Alberto troca o jaleco pelo avental. Hora de arregaçar as mangas e mostrar como se prepara o suco. “O grande equipamento é um liquidificador. Depois de tudo lavado, você começa a fazer o suco. Primeiro, picota o pepino. O pepino vai para perto da hélice, porque ele é um grande gerador de água. Aí vem a maçã. Vamos extrair a água do pepino, da maçã e das verduras orgânicas disponíveis com uma cenoura. E, finalmente, as sementes de girassol germinadas. Você pode usar só trigo, girassol, quinoa, gergelim, amêndoa. O ideal é a semente germinada”, ensina Alberto Gonzalez.

Este é o grande segredo da comida viva: grãos germinados. E se você já está se perguntando como vai fazer para conseguir essas sementes, não se preocupe.

“Em seguida, coamos. Fica uma massa consistente. É um coador de voal, que qualquer um pode ter. As pessoas com mais recursos usam uma centrífuga. É o café da manhã. É bom que seja um copo grande. Tem pão, manteiga, café e leite, só que em forma natural, viva e repleta de nutrientes vivos”, ressalta Alberto Gonzalez.

Não é um suco ralinho, parece um leite ou algo muito cremoso. É em um casarão que doutor Alberto Gonzalez ensina receitas de alimentos vivos. Alguns pacientes são encaminhados para o local e aprendem que, além do suco, podem fazer pratos coloridos e saudáveis, como a caldeirada de frutos do mato.

Legumes ralados, picadinhos. Basta prensar os alimentos, uma técnica feita com as mãos, para controlar a temperatura da panela. Afinal, nos chamados alimentos vivos, legumes e verduras não podem ser cozidos.

“Se começar a queimar as mãos, tem que desligar. Se não queimar a mão, não vai queimar os alimentos também”, explica uma funcionária do hospital.

“A carne é uma questão de herança cultural. Eu não vou chegar em uma aldeia de pescadores e dizer: parem de comer peixe. Comam o peixe, mas incluam na sua vida os alimentos que vêm da mãe terra. Porque eles vêm com a informação que você precisa”, diz Alberto Gonzalez.

“Não posso dizer que sou vegetariano. Uma vez por mês eu não recuso um churrasquinho, mas também não sou escravo da alimentação. Como tudo que eu gosto, com uma certa regra”, conta seu Orlando.

“Sempre digo que tudo que é verde faz bem para o que é vermelho. Quem está com doença cardiovascular volte-se para o reino vegetal. Alimente-se de tudo que é verde possível que a recuperação cardiovascular vem a reboque”, aconselha Alberto Gonzalez.

Em casa, seu Orlando segue a orientação diariamente e faz questão de plantar suas verduras: “Eu aproveito qualquer cantinho. Uma jardineirinha da loja de R$ 1,99, um pouquinho de terra e brota um trigo bonito”.

A grama de trigo usada no suco nasce de sementes comuns compradas no supermercado e simplesmente jogadas por seu Orlando na terra. “Todos os espaços, o quintal do vizinho, por exemplo, eu coloquei trigo há 15 dias e já está nascendo. Temos couve e outras hortaliças espalhadas no meio da vegetação. Uso de sete a oito qualidades para fazer o suco por dia”, conta.

Será que é mesmo tão fácil assim? Nos dez dias em que testamos o suco também experimentamos a preparação dele, até em cozinhas de hotel. Se eu consegui, qualquer um consegue.

Mas, antes, é bom lembrar: estávamos no restaurante de um hotel na cidade turística de Campos do Jordão, e as tentações estavam servidas. Eram 9h. Eu jantei no dia anterior, às 20h30. Ou seja, havia mais de 12 horas. O estômago já estava reclamando. A mesa do café da manhã era farta. Em vez de optar por tudo o que eu normalmente comeria, fiquei só com as frutas e o suco verde.

Logo pegamos a estrada. Acompanhamos doutor Alberto Gonzalez até a casa de um paciente. A viola dá o tom. O lavrador Benedito Vicente da Rosa leva uma vida simples. Mora com a mulher no alto de uma colina, em um lugar onde não tem luz elétrica. Mas sobram ar puro e produtos tirados da terra sem agrotóxicos. Faltava saber como aproveitar todos os seus nutrientes. Foi o que seu Benedito aprendeu nas consultas pelo SUS. Visitas periódicas fazem parte do Programa de Saúde da Família.

Há um ano, o lavrador mal conseguia ir ao posto de saúde, por causa de uma trombose na perna esquerda, uma ferida enorme não cicatrizava.

“Estava muito machucado, era uma ferida só. Tinha um roxo que parecia uma lesão só. Tomei o suco e fechou tudinho, foi uma beleza. Eu já estava até desenganado”, comemora o lavrador.

Doutor Alberto Gonzalez explica: “Os vasos da perna dele não chegavam até a intimidade do tecido, por conta do problema vascular. O suco promoveu o fenômeno denominado neovascularização, de crescer novos capilares onde não tinha”.

Mas o médico alerta: “Se você está usando remédios e quer mudar para o suco, consulte um profissional médico. A pessoa que tem um problema grave de pressão arterial ou problema grave de perfusão sanguínea do próprio coração não pode parar de tomar o remédio. Eu trabalho usando remédios e o suco. Os remédios vão sendo tirados à medida que os resultados com o suco vão aparecendo. E isso depende da adesão do paciente”.

Seu Benedito se empenhou de verdade para ver o resultado. Afinal, o que já seria difícil na cidade grande poderia até ser impossível para quem vive sem energia elétrica – sem um liquidificador.

“Tentei socar no pilão, mas espirrou muito. Tive que inventar outro modo. Daí, foi no ralador. Achei que foi importante”, diz seu Benedito, que colhe os ingredientes, rala e espreme tudo com as mãos. “É um verdadeiro remédio. A perna sarou que é uma beleza! Não tem mais nada, está forte. Já estou imaginando até jogar bola. Eu gostava muito de jogar bola. Fazer isso todo dia é difícil, mas sem esforço ninguém consegue nada”.

A germinação dos grãos é que dá força ao alimento, potencializa os nutrientes. É o que garante a mais antiga pesquisadora da comida viva no Brasil, a designer e professora Ana Branco, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). A primeira semente foi ela que plantou. Há 15 anos, Ana Branco reúne conhecimentos que ela passa adiante.

Preste atenção: é o passo-a-passo para você também aprender a germinar as sementes na sua casa.

“Colocamos a semente de girassol de molho na água. Vamos dormir e a semente vai acordar. São oito horas de molho na água. É o tempo de dormirmos e ela acordar. Na manhã do dia seguinte, jogamos a água fora e deixamos escorrendo em algum apoio por mais oito horas. Depois de oito horas de molho na água e oito horas no ar, é só darmos uma lavadinha antes de consumirmos. Podemos olhar o que aconteceu com a semente germinada. Dá para ver o narizinho que está nascendo. Nesse ponto, podemos consumir. Assim, comemos a energia vital contida nela. E ficamos forte que nem ela”, diz Ana Branco.

Para ela, uma filosofia de vida que germinou e deu frutos. Muitos já aprenderam os segredos da alimentação viva em cursos e em uma feira na PUC-RJ.

“Nós começamos com o suco quando eu estava grávida da minha terceira filha. Meu marido faz o suco, fazemos para a família toda. Isso já acontece há três anos”, conta a professora Rosana Cunha Pinto. “O grande barato é chamar as crianças para fazerem junto com você. Pede para uma pegar uma maçã, pede para outra segurar uma hortelã. E assim a gente vai cortando e preparando o alimento junto”.

Eu bebi suco durante dez dias. E não foi difícil, mesmo fora de casa, dormindo em hotéis, comendo em restaurantes. Logo no primeiro dia, eu fiz exames de sangue que mostraram que a minha saúde vai muito bem. Taxas como colesterol e glicose, por exemplo, estão ótimas. E, por causa disso, eu resolvi não mudar mais nada na minha alimentação. No almoço e no jantar, continuei comendo o que estou acostumado e gosto: arroz, feijão, carne.

Mesmo assim, substituindo só café da manhã, o suco fez efeito. Perdi 2,1 quilos. Eu também senti outras mudanças que não podem ser medidas. A primeira: comecei a sentir menos fome nos últimos dias. E a segunda: mudança no apetite. Já não tenho tido mais tanta vontade de comidas pesadas. Pode ser resultado do suco.

Bom, barato e saudável

Reportagem: Ismar Madeira (Rio de Janeiro)

Quem vê o motorista particular Clóvis Evaristo pechinchando o preço da abobrinha e do pimentão e escolhendo salsinha e cenoura na feira nem imagina que até outro dia ele nem passava perto de comida leve. Cozinhar, então…

Dependendo da localidade da feira, em cada cidade, os preços podem ter variações. Clóvis pesquisa bem na hora que está começando a xepa. Então, dá para negociar os preços e, assim, escolher o cardápio.

Dependendo das ofertas, ele decide o que fazer para o almoço. Clóvis aprendeu a cozinhar com o chefe, o médico e nutrólogo João Curvo, que orienta: “Já que temos a ciência de que as frituras, as gorduras e os açúcares nos causam tanto mal, podemos diminuir a freqüência, não necessariamente bani-los”.

E foi assim que o motorista Clóvis virou professor de culinária. O curso é para empregadas domésticas que precisam aprender a cozinhar para patrões que precisam emagrecer. Dependendo do caso e da casa, além da obesidade, colesterol alto, hipertensão e diabetes são os problemas mais comuns. Veja a dica de Clóvis: “Cozinhar na tampa da panela. É muito fácil, prático e rápido”.

Para cozinhar no vapor, basta enrolar um pano de prato envolvendo os legumes comprados na feira e virar a tampa em uma panela com água fervente. São necessários sete minutos.

“Se você cozinha na água, quando joga a água fora, todos os nutrientes vão embora. No vapor, não acontece isso. Você mantém todos os nutrientes nos legumes”, explica Clóvis.

Não precisa de nenhuma panela especial. O músculo é a carne mais barata e muito nutritiva. Alguns temperinhos depois, surge um prato bonito. A batata fica uma delícia. A carne fica macia, fácil de cortar.

No total, dá para fazer cinco pratos com R$ 21. Cada prato sai por R$ 4,20 e ainda sobra muita coisa. É barato, saboroso e saudável.

A renda mensal de Clóvis aumentou 20 % com as aulas de culinária. “É um bom negócio saber cozinhar hoje em dia”, afirma. Ele garante: vale a pena mudar o cardápio e aprender novas receitas.

“A Sandra rejeitava, não gostava. Ela era muito atenciosa porque queria aprender. Mas, a princípio, a intenção dela era só fazer para a patroa”, conta Clóvis.

O que a empregada doméstica Sandra da Conceição Oliveira aprendeu no trabalho, ela acabou levando para a casa dela.

“Hoje vai sair uma lasanha de abobrinha, arroz integral e uma salada”, anuncia para o almoço. Que tal? É bem diferente das antigas receitas dela.

“Antes, a minha lasanha era de massa, queijo, muito presunto e massa de tomate. Eu achava que estava fazendo bem a mim e a minha família. Fazendo o curso, eu aprendi que nada daquilo estava fazendo para mim nem para as outras pessoas. Mudou muito a minha vida. Eu mesma não imaginaria que chegaria lá. Eu pesava 95 quilos. Agora, estou pesando 71 quilos. Me sinto melhor, mais leve. Me sinto de bem com tudo – com a vida, com o corpo. Me sinto muito mais saudável. Eu tinha muita azia e cansaço. Hoje em dia, não tenho mais. Nunca tomei nenhum medicamento. Então, para mim, cansaço e azia foram acabando naturalmente. Depois que fiz o curso, fui ver que era gordura”, conta Sandra.

E se as novas receitas de Sandra agradaram à família dela, parece que no trabalho, os pratos foram um sucesso.

Sandra acredita que, na prática, o mercado de trabalho está valorizando quem tem a qualificação de saber cozinhar de forma mais saudável.

“Eu, por exemplo, ganhei um aumento de salário. Tive contato com duas outras alunas que também foram gratificadas. Nós fomos reconhecidas pelos patrões. Isso abre as portas de trabalho, porque sabemos fazer pratos”, diz Sandra.

E que pratos!

“Antes comíamos muita massa, carne frita, gordura e muita batata”, lembra Bianca Oliveira, filha de Sandra.

“No início, eu não gostava, mas tive que me acostumar”, diz Raquel Oliveira, filha de Sandra.

“Eu fui convencendo aos poucos. Fui fazendo e comendo. Então, elas me viam comer e experimentavam. Foram gostando, até que agora todas nós comemos. Foi o exemplo da mãe”, acredita Sandra.

E é bom lembrar: a lasanha é de abobrinha.

“Você come de forma saudável e, ao mesmo tempo, sensibiliza a sua família e a empregada, que sensibiliza a família dela. Então, quando você aprende que determinados sucos e alimentos fazem bem, passe à frente isso, porque isso melhora em um todo. Vai ser bom para todo mundo”, aconselha João Curvo.

Brotos de Soja

Como Preparar:

– Obtenha soja de boa qualidade, que não seja velha e que não tenha sido tratada com nenhum defensivo (inseticida).

– Escolha meia xícara (chá), lave bem, e deixe de molho durante a noite.

– Na manhã seguinte, escorra a água e lave bem os grãos.

– Coloque-os em um vidro de boca larga (usados para conservas) e feche com um pedaço de tela ou filó, prendendo com uma borrachinha (de dinheiro).

– Guarde em lugar abafado (debaixo da pia).

– Enxágüe 3 a 4 vezes por dia, escorrendo bem, para isto não é necessário retirar a tela da boca do vidro.

– Quando estiverem com aproximadamente 5 centímetros, estarão bons para serem usados. Isto levará de 3 a 5 dias.

– Leve-os a ferver por 15 minutos.

– Use em saladas, sopas, refogados com legumes, patês e sanduíches, etc.

Fonte:
http://jorgeroriz.wordpress.com/alimento-vivo/
Globo Repórter / Reportagem: Ismar Madeira (Campos do Jordão, São Paulo)